Cristianismo Ortodoxo

Cristianismo Ortodoxo

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Sobre a Comunhão "Parcial" (Pe. Peter Heers)

Pe. Peter Heers

A ideia de comunhão plena e parcial, tão central para a nova eclesiologia, é inconsistente com a compreensão da unidade orgânica da Igreja. Mais uma vez, a este respeito, o Vaticano II não foi um retorno à visão patrística da Igreja, mas sim um passo adiante. Como o Metropolita Kallistos Ware escreveu: "A Bíblia, os Pais ou os Cânones conhecem apenas duas possibilidades: comunhão e não-comunhão. É tudo ou nada. Eles não contemplam nenhuma terceira alternativa, como uma "intercomunhão parcial". [1] O padre Georges Florovsky também aponta que, na visão patrística da Igreja, "há simplesmente a questão da 'plena comunhão', isto é, da adesão a Igreja. E havia termos idênticos desta adesão para todos ". [2] 

A identificação de "adesão plena" com "adesão à Igreja" - uma associação baseada em termos idênticos para todos - não poderia entrar em oposição mais direta ao coração da nova eclesiologia, que se baseia na possibilidade de haver graus de pertencimento ao Corpo de Cristo. Essa ideia decorre da aceitação de uma divisão dos Mistérios uns dos outros e do Mistério da Igreja como um todo. Eles supõem que o batismo pode existir fora da unidade da Igreja e dos outros mistérios, mecanicamente, por assim dizer, conferindo adesão àqueles que o recebem em separação. 

No entanto, assim como a Eucaristia "está indissoluvelmente ligada a todo o conteúdo da fé, e também à estrutura visível da Igreja" [3], também é o batismo. E, assim como "aqueles que defendem a intercomunhão com base na 'eclesiologia eucarística'" tratam a Eucaristia "muito isoladamente (ibid.)", aqueles que defendem uma comunhão parcial com base em um "batismo comum" também consideram o batismo muito isoladamente. Ao colocar o Batismo como um ponto de unidade, eles não conseguem perceber que, além da unidade na fé e na unidade no bispo, a unidade em um "Batismo comum" é impossível. Assim como comungar juntos na Sagrada Eucaristia não pode compensar, e muito menos criar, unidade na fé (ibid.), também compartilhar o typos do Batismo (se é realmente compartilhado) não pode criar a unidade eclesiástica ou mesmo uma chamada unidade "parcial" . 

Além disso, assim como a Eucaristia é celebrada e recebida local e visivelmente, de tal forma que a separação do heterodoxo da participação na Eucaristia é igualmente visível e local, o Batismo também é também realizado nSynaxis Eucarística local, do qual os heterodoxos são necessariamente excluídos. A Igreja Única não existe como uma ideia abstrata, mas manifesta-se visivelmente no tempo e no espaço como Igreja local. "Não se pode ser batizado na Igreja Católica sem pertencer ao mesmo tempo a uma Igreja local" [4] pois a Igreja local, "como um 'organismo', um corpo sacramental, não é uma 'parte' ou um 'membro' de um organismo universal mais amplo. É a própria Igreja." [5] Da mesma forma, não se pode ser batizado na "Igreja Católica" de Cristo sem estar em comunhão com todos os membros do Corpo, pois Cristo, o Chefe da Igreja, é inseparável de todos os seus membros. "Por que", pergunta São João Crisóstomo, "deixando ir a Cabeça, você se apega aos membros? Se você estiver fora dele, você está perdido." [6] Se alguém cai da Cabeça ou do Corpo, o resultado é o mesmo: ele perdeu um e o outro. 

Não há, portanto, base para supor, como os proponentes da Unitatis Redintegratio e da nova eclesiologia, que "apesar das divisões e condenações mútuas todas as comunidades dos batizados. . . estão em comunhão "[7], mesmo que apenas parcialmente. A comunhão é tanto vertical quanto horizontal, tanto com Deus quanto entre os homens, tanto entre a Cabeça e Seu Corpo, e é plena e preenchida: "estando completo aqui e lá também". [8] O Senhor não mostra nenhuma parcialidade, mas distribui os dons para todos iguais, dentro do corpo. Uma vez unidos, todos se tornam uma casa única, todos estão relacionados e são irmãos em Cristo. Assim como não pode haver Cristo parcial, não pode haver comunhão parcial em Cristo, pois o Corpo de comunhão, "que é o seu corpo, [é] a plenitude daquele que cumpre tudo em todos." (Efésios 1: 23).  Desde o momento em que alguém é membro, a comunhão que ele desfruta em Cristo está completa, pois Cristo se entrega plenamente apenas. Se ele atualiza plenamente ou não essa oferta de Cristo não é uma questão institucional, mas individual, e dentro do Corpo.

Se falamos de um Mistério ou outro, do Batismo ou da Eucaristia, um e o mesmo Cristo está se oferecendo ao homem, unindo o homem a Si mesmo. Esta unidade com Deus é cumprida nos mistérios, todos os quais têm certos pressupostos, em primeiro lugar, e comuns a todos, na unidade na fé. É por isso que o Pe. Dimitru Staniloae insiste, e adverte contra, em relação à Eucaristia e "intercomunhão", é igualmente verdade para o batismo e a "comunhão parcial":   
"A unidade eclesiástica, a unidade na fé e a unidade na Santa Eucaristia são todas as três inseparáveis e interdependentes para a total comunhão e a vida em Cristo. Consequentemente, a Igreja Ortodoxa não pode aceitar a "intercomunhão", que separa a comunhão na Sagrada Eucaristia da unidade na fé e na unidade eclesiástica. Mais corretamente, "intercomunhão" é um perigo que ameaça destruir a Igreja, romper a unidade da fé e a comunhão na Sagrada Eucaristia [entre os ortodoxos] ". [9] 
Assim, também, a Igreja Ortodoxa não pode aceitar uma comunhão "parcial" ou "incompleta" em um "Batismo comum", pois não pode haver divisão entre os Mistérios e o Mistério, e entre Cristo nos Mistérios e Cristo em quem acreditamos e confiamos, a quem confessamos, e em quem temos nosso ser, nossa unidade. Portanto, a aceitação de uma "comunhão incompleta" entre a Igreja e o heterodoxo é, como a intercomunhão na Eucaristia, um grave perigo para a unidade do corpo de Cristo. O corpo da Igreja está unido ao Senhor, de modo que, como escreveu São João Crisóstomo, mesmo a menor divisão, a menor "imperfeição" ou "incompletude" acabaria trazendo a dissolução de todo o corpo. (Heers, Pe. Peter [2015-11-16]. A renovação eclesiológica do Vaticano II: um exame ortodoxo da teologia ecumênica de Roma sobre o batismo e a Igreja) 



Notas: 

[1] Bispo Kallistos Ware, Comunhão e Intercomunhão: Um Estudo de Comunhão e Intercomunhão Baseado na Teologia e na Prática da Igreja Oriental (Minneapolis: Light and Life, 1980), 16. 
 [2] Pe. Georges Florovsky, "Termos de comunhão na igreja não dividida", em Intercomunhão. O Relatório da Comissão Teológica nomeado pelo Comitê de Continuação da Conferência Mundial sobre Fé e Ordem, juntamente com uma Seleção do Material Apresentado à Comissão, ed. D. Baillie e John Marsh (Londres, 1952), 50, como citado em Ware, Comunhão e Intercomunhão, 16 a 17. O professor George Galitis também é citado por Ware na mesma linha, que na antiga Igreja "só existe comunhão e a não-comunhão "(G. Galitis, O problema da intercomunidade com o heterodoxo do ponto de vista ortodoxo: um estudo bíblico e eclesiológico [em grego] [Atenas, 1966], 24-25). É importante notar que Pe. Georges Florovsky, cujos pontos de vista são frequentemente citados em apoio de versões das teorias da teologia-eclesiologia batismal, bastante cedo, explicitamente qualificou suas reflexões acadêmicas sobre as opiniões de Santo Agostinho e afirmou que os pontos de vista do santo eram "não mais do que um 'theologoumenon', uma doutrina estabelecida por um único Pai". Igualmente, ele pediu aos ortodoxos que tomassem em consideração, não por seu próprio bem ou em seus próprios termos, e certamente não como foi desenvolvido dentro da teologia latina, mas simplesmente como uma visão que pode auxiliar na formação de uma "verdadeira síntese ecumênica". De fato, o Pe. Florovsky lamentou que os ortodoxos tenham muitas vezes explicado a doutrina dos sacramentos utilizando o modelo romano, sem qualquer adoção criativa ou transformadora da concepção de Santo Agostinho. Pelo contrário, o Pe. Florovsky rejeitou formalmente e firmemente a teoria da unidade primordial em um batismo comum, como é sublinhado pelo catolicismo romano, explicando que, como a teoria do ramo protestante, esclarece e minimiza o escândalo da "des-união", que para ele deveria ser enfrentado com franqueza e explicação em termos da " verdadeira Igreja [ortodoxa] e secessões". Florovsky enfatizou a unidade dos mistérios, especialmente os três primeiros, e, portanto, pensou menos em termos de regeneração ligada ao batismo do que a incorporação no corpo comum de Cristo na Eucaristia. Veja Andrew Blane, Georges Florovksy, Igreja Russa e Igreja Ortodoxa (Crestwood, NY: St. Vladimir's Seminary Press, 1997), 311-17. 
 [3] Ware, Comunhão e Intercomunhão, 20. 
 [4] WareComunion e Intercommunion, 23. 
 [5] Schmemann, "UnityDivisionReunion". 
 [6] PG 62.344.36: Τί τοίνυν τὴν κεφαλὴν ἀφεὶςἔχει τῶν μελῶνἐὰν ἐκεῖθεν ἐκπέσῃς, ἀπόλωτας. 
 [7] Jorge A. Scampini, "Reconhecemos um Batismo para o perdão dos pecados", endereço dado na Comissão Plenária de Fé e Ordem em Kuala, Malásia, de 28 de julho a 6 de agosto de 2004. É importante notar que o Papa João Paulo II, em sua encíclica Ut Unum Sint (p. 42), vinculou essa ideia de comunhão profunda, apesar da divisão de "caráter batismal", seguindo o precedente estabelecido por CongarBea e o Vaticano II: "A própria expressão os "irmãos separados" tendem a ser substituídos hoje por expressões que mais facilmente evocam a comunhão profunda - ligada ao caráter batismo - que o Espírito promove, apesar das divisões históricas e canônicas. Hoje falamos de "outros cristãos", "outros que receberam o batismo" e "cristãos de outras comunidades". . . Este alargamento do vocabulário é indicativo de uma mudança significativa nas atitudes. Há uma consciência aumentada de que todos nós pertencemos a Cristo". 
[8] PG 63.131.39, São João Crisóstomo, Homilia sobre a Epístola aos Hebreus, 17.6. 
[9] Dimitru StaniloaeΓιὰ ἕναν Ὀρθόδοξο Οἰκουμενισμὸ [Para um ecumenismo ortodoxo] (Atenas, 1976), 29.