Cristianismo Ortodoxo

Cristianismo Ortodoxo

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Conversações sobre a Oração do Coração (Kyriacos C. Markides)

"Muito daqueles que vem nos visitar no Monte Atos assumem que nós monges possuímos fórmulas mágicas e segredos apócrifos. Eles esperam que, quando essas fórmulas esotéricas lhe forem transmitidas, eles estarão no caminho da perfeição espiritual. Não estou ciente de tais segredos", declarou o padre Maximos enquanto caminhávamos uma curta caminhada e nos sentamos em um banco debaixo de um carvalho com vista para o mosteiro Panagia.

Manuseando seu komboschini (NT: Cordão de Oração), ele explicou que de acordo com os ensinamentos dos anciãos, o caminho para a perfeição espiritual não é outra coisa senão a participação plena na metodologia da Ecclesia (NT: Igreja). Isso pressupõe oração, jejum, obediência a um ancião, confissão, arrependimento, comunhão, estudo da Palavra de Deus e escritos de anciãos iluminados, e assim por diante. "Não temos segredos e fórmulas secretas sobre como chegar a Deus", ele zombou. "Uma vez que você começa seriamente a participar dos métodos prescritos da Ecclesia, você é revigorado e elevado espiritualmente. É concedido o tipo de alimento espiritual apropriado para você".

"Isso acontecerá automaticamente?", perguntei.

"Entenda deste modo. A Ecclesia é como o maná com que Deus alimentou os hebreus famintos. A comida do maná era a mesma para todos. No entanto, através da Graça de Deus foi transmutada de forma a satisfazer as necessidades nutricionais específicas de cada indivíduo. Digamos que alguém precisava de vitamina B, então o maná deu a essa pessoa mais dessa vitamina. Alguém precisava mais de vitamina D, mais uma vez o maná transformou-se de forma milagrosa naquela vitamina. Deus alimentou Seu povo de uma maneira pessoal e individualizada.

"O mesmo princípio se aplica à Ecclesia", continuou o padre Maximos enquanto mexia em sua barba. "Durante a Divina Liturgia, o Espírito Santo é ativado de forma diferente para cada indivíduo. Em uma pessoa, pode gerar um profundo sentimento de amabilidade, em outra, um profundo sentimento de reverência. Cada pessoa recebe o que é necessário para seu crescimento espiritual. Esta é a razão pela qual, como mencionei no outro dia, não devemos nos preocupar com o quanto avançamos ".

O padre Maximos continuou a apontar que os seres humanos variam muito em seu nível de compreensão e maturidade espiritual. Eles não são todos da mesma idade espiritual. No entanto, todos podem ser acomodados dentro da Ecclesia precisamente porque o Espírito Santo trabalha desta maneira misteriosa, oferecendo a cada pessoa uma quantidade certa e específica de alimento.

“Ao contrário do que algumas pessoas acreditam, não foi ensinado para ninguém alguma lição secreta que os conduziu em seu desenvolvimento espiritual, absolutamente ninguém. Todos nós começamos de uma maneira muito simples e procedemos com base em nossa receptividade e nível de desenvolvimento. A maioria dos ensinamentos dos anciãos são, na verdade, formas de exercícios práticos para superar o orgulho e desenvolver a verdadeira humildade e compaixão. Não há espiritualidade sem humildade genuína. Isso é um axioma."

O padre Maximos sorriu quando se lembrou de um episódio de seu próprio aprendizado. "A primeira tarefa que recebi do meu ancião era ir e lavar o chão da igreja. Eu esperava que ele me instruísse sobre os segredos da oração mental e assim por diante. Em vez disso, ele me entregou uma vassoura, uma esponja e um balde de água..."

"A experiência que você acabou de descrever é semelhante a outro novato que foi ao Monte Atos para se tornar um mestre dos segredos espirituais", interrompi enquanto tirava da minha bolsa um livro que eu estava lendo. Comecei a folhear as páginas. Em seguida, traduzi uma passagem relevante para o grego, sentença por sentença.

"Não há muito tempo atrás", eu li, "um jovem aspirante ao monaquismo foi ao Monte Atos. Ao falar com o venerável abade do mosteiro, onde desejava ficar, disse-lhe: "Santo Pai! Meu coração arde pela vida espiritual, pelo ascetismo, pela incessante comunhão com Deus, pela obediência a um ancião. Instrua-me, por favor, Santo Pai, para que eu possa alcançar o progresso espiritual". Ao entrar na estante, o abade tirou uma cópia de David Copperfield por Charles Dickens. "Leia isso, filho", disse ele. - "Mas, pai!" - objetou o aspirante perturbado. "Isto é sentimentalismo vitoriano heterodoxo, um produto do cativeiro ocidental! Isso não é espiritual; nem é ortodoxo! Preciso de escritos que me ensinem a espiritualidade! O abade sorriu, dizendo: "A menos que primeiro você desenvolva sentimentos cristãos e humanos, aprenda a ver a vida como Davey fez - com simplicidade, gentileza, calor e perdão - então, toda a espiritualidade Ortodoxa e os escritos Patrísticos não só não serão ajuda alguma para você, eles o transformarão em um monstro espiritual e destruirão sua alma "

"Ótimo!", reagiu o padre Maximos. "É isso que os anciões nos advertem vez ou outra". O conhecimento espiritual por si só não nos leva a Deus. Na verdade, pode nos impulsionar na direção oposta. Podemos sucumbir à tentação e fantasiar que, porque somos conhecedores, somos especialmente favorecidos por Deus. Poderia estimular nosso orgulho e vaidade", apontou o padre Maximos enquanto eu colocava o livro de volta na minha bolsa.

"Padre Maximos", interrompi-o abruptamente com urgência na minha voz, "em breve partirei do mosteiro e ainda tenho algumas perguntas que eu gostaria que fossem esclarecidas".

"Bem, o que você está esperando?", ele me estimulou enquanto olhava para a Baía de Morphou estendida à distância através do barranco próximo ao terreno do mosteiro.

"Você enfatiza constantemente a centralidade da oração incessante para a vida espiritual. A questão que muitas pessoas levantarão é a seguinte: por que se empenhar em oração e não em outra coisa, a meditação, por exemplo? Primeiro, qual é o propósito da oração? Segundo, como alguém se empenha na oração incessante?"

O padre Maximos mexeu com seu komboschini por alguns segundos para recolher seus pensamentos. Então, depois de encher os pulmões com uma profunda respiração, ele respondeu. "A Ecclesia, como discutimos muitas vezes, tem como objetivo principal a restauração dos seres humanos para seu estado natural, em unidade com Deus. Nós dissemos que antes da Queda, os seres humanos viviam em um estado de contínua contemplação de Deus. Após a queda, nossas mentes e corações se dispersaram e focaram nos objetos deste mundo e, portanto, fomos excluídos dessa conexão e unidade sagrada."


"Você conhece o verdadeiro significado do pecado?", perguntou o padre Maximos abruptamente, como se mudasse o assunto.

"Bem", respondi, "as pessoas pensam no pecado como uma violação de algum código moral. Mas eu sei que isso não é o que você tem em mente. O antigo entendimento de amartia, de pecado, é algo como "fora da meta", o que significa ser separado de Deus ".

"Bom. Quando dizemos, por exemplo, que esse ato é pecaminoso, alguém pode se perguntar por que é assim? Por que a luxúria é um pecado, já que traz prazer para a pessoa e não machuca ninguém? Por que a avareza é um pecado ou a gula?

"Os anciãos ensinam", continuou o padre Maximos, "quando sua mente e coração, seu nous, ficam presos aos objetos deste mundo, quer sejam objetos chamados de dinheiro ou prazeres do corpo, ou egoísmo, opiniões ou ideologias ou qualquer outra coisa, então, você está cometendo amartia, um pecado. Você se torna escravizado por essas distrações que mantêm o coração e a mente longe de Deus ".

"Você está implicando então que todos devemos abandonar o mundo e entrar para um mosteiro?" eu reagi com uma dose de protesto na minha voz.

"Nada disso. Basta estar ciente de não escravizar sua mente e seu coração com os objetos desse mundo que o impedem de Deus. Você sabe o que mais os anciãos dizem? Que é possível que uma pessoa seja extremamente rica, mas não seja considerada rica aos olhos de Deus. Alguém mais pode possuir apenas uma única agulha e ser rico nos olhos de Deus. Por outro lado, uma pessoa rica pode ser livre da avareza e psicologicamente completamente livre de sua riqueza e estar perto de Deus, enquanto uma pessoa que possui apenas uma única agulha pode ter sua mente e coração presos naquela agulha ".

"Então a afirmação de Jesus de que é mais fácil para um camelo atravessar o buraco de uma agulha do que um homem rico entrar no Reino dos Céus deve ser interpretado sob esta luz".

"Claro. A pessoa "rica" que não pode entrar no Céu é a pessoa que está obcecada com as coisas desse mundo, seja seus milhões ou sua agulha. Entrar no Reino dos Céus significa libertação dos objetos deste mundo, o que os anciãos chamam de kenosis ou esvaziamento".

“E quanto a oração?”

"Eu estou chegando lá. A metodologia da Ecclesia nos ajuda a alcançar essa liberdade, a kenosis das paixões. A oração é a força que impulsiona o ser humano na direção de se reconectar com Deus. A oração necessita fechar todas as portas para pensamentos, idéias e obsessões, e que se direcione todas as energias para este Deus pessoal. Não é um movimento em direção a uma inteligência impessoal abstrata além do mundo manifesto ou além das nuvens. Em vez disso, no momento em que eu começar a invocar o nome de Deus, eu começo a estabelecer um relacionamento pessoal com Ele. É para essa Pessoa que minha alma começa a se mover enquanto oro".

"Em termos práticos, como se deve orar?", eu interrompi.

"Como você sabe, existem muitas maneiras e formas de oração", respondeu o padre Maximos. "Uma maneira é rezar junto com os outros. Não somos átomos isolados no universo. Somos pessoas em relacionamentos. A oração comunitária reafirma nossa conexão uns com os outros e com Deus.

"Há também a oração pessoal. A Ecclesia, baseada sempre na experiência dos santos anciãos, nos oferece uma infinidade de orações que podemos recorrer quando oramos por nós mesmos. Há orações para todas as ocasiões que podemos utilizar, dependendo dos problemas que enfrentamos ".

"E essas orações são carregadas com energia espiritual", ressaltei.

"Sempre! Elas foram escritas por santos anciãos conscientes de Deus que foram preenchidos com a Graça do Espírito Santo. Seu amor por Deus transbordava enquanto escreviam seus poemas, da mesma maneira que os amantes escrevem poesia para expressar seu amor um pelo outro".

"Os santos são os amantes de Deus", reafirmei quando lembrei de uma conversa anterior com o padre Maximos. Durante essa discussão, ele afirmou que o chamado "temor de Deus" é uma grande distorção do cristianismo com base em uma compreensão infantil de Deus. O "temor de Deus" dos santos, afirmou, refere-se ao temor de perder a conexão com Deus, o Amante Divino, e não o medo de um déspota patriarcal que governa o universo com um punho de ferro.

"Foi nesse espírito que os hinos da Ecclesia foram escritos", repetiu o padre Maximos. "ao adotar o hábito de ler orações escritas por santos, nos conectamos com o espírito de santidade que motivou a redação dessas orações. A energia do amor divino, tal como está inserida nesta poesia, é então transferida para nossas próprias almas. Essa é a razão pela qual é importante aprender a orar usando essas orações bem estabelecidas. Suponhamos, por exemplo, que você experimente algo que cause grande tristeza. Você poderia então ler a paraklesis, ou cânon de súplica, para a Santíssima Virgem ou a paraklesis para Cristo. Ao se concentrar nas palavras dos hinos, dos Salmos ou do Evangelho, você se conecta com a energia divina que foi a própria fonte de inspiração que levou à redação desses versículos ".

"Mas às vezes, padre Maximos, as pessoas não entendem seu significado".

"Não importa. Você ainda pode obter o benefício. A energia espiritual que emana dessas palavras ainda pode afetá-lo de maneiras que talvez você não esteja ciente ".

O padre Maximos falou sobre Efche  (NT: oração), "Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, pecador", um assunto que discutimos antes. Esta forma especial de oração tem sido considerada pelos santos anciãos como central para a vida espiritual. Ele me lembrou que a Oração deve ser recitada continuamente pelo peregrino sério. Em tempo integral pelo os que praticam as artes espirituais. É, segundo ele, o medicamento mais potente para a cura da alma, a "ciência das ciências", precisamente porque é o método que, uma vez dominado, pode levar à abertura das portas em direção a Deus. Repetindo essas simples palavras, padre Maximos disse que, em virtude de seu poder, pode nos levar para reinos além das palavras e ao grande mistério da Theosis.

"Talvez estes sejam os segredos espirituais que as pessoas estão procurando", sugeri.

"Espere um pouco. Quaisquer que sejam os segredos revelados, esses não são resultado do conhecimento intelectual de alguma fórmula oculta. São revelações que vêm de cima como resultado da purificação do coração através da profunda metanoia e humildade. Como diz Sofrônio, é quando a Oração é energizada como uma chama reconfortante dentro do indivíduo, que são oferecidos insights e inspirações divinas. É, nas palavras dele, "o doce sentimento do amor de Deus que arrebata a mente e a expõe a visões espirituais, que ocasionalmente são acompanhadas por visões da Luz Divina. São os presentes que são oferecidos à alma que luta pela união com Deus".

"São segredos que não podem ser desbloqueados pela razão pura", acrescentei enquanto pensava na idéia kantiana da impossibilidade da razão de conhecer a natureza da realidade última. Eu mantive esses pensamentos enquanto o padre Maximos continuava.

"Quando você pratica a Oração de Jesus de forma sistemática, é como se você se movesse dentro de uma cidade poluída usando uma máscara de oxigênio no rosto. Nada pode te tocar."

"Parece simples", eu disse, "quero dizer, repetir mais e mais 'Senhor Jesus Cristo, tenha piedade de mim'".

"É simples em sua expressão, mas rico em energia. Também é simples na sua implementação, pelo menos em suas etapas iniciais. No início pensava que aprender sobre a Efche, a Oração, era uma espécie de iniciação complexa que eu tinha que passar, mas quando conheci meu ancião, ele me entregou um komboschini e me pediu para começar a recitar a Oração com humildade e sem fantasias, nada mais. 'Vá e faça isso', ele me pediu, 'e então conversaremos novamente'".

"Quanto tempo nós que vivemos no mundo devemos nos dedicar a Oração?", perguntei.

"Você pode começar com apenas cinco minutos por dia. Mas é importante ser consistente. Depois de algumas semanas você pode dedicar mais tempo, como dez minutos de manhã e dez à noite, mas sempre na mesma hora do dia e em um lugar calmo. No começo, pode ser difícil concentrar-se. Sua mente pode desviar-se, mas você deve persistir. Espera-se que no momento em que começar a Oração, você começará a se lembrar de todo o trabalho que você precisa fazer, todas as coisas que você esqueceu de fazer durante o dia e assim por diante. Não desista sob nenhuma circunstância."

O padre Maximos continuou dizendo que, antes de começar com a Oração de Jesus, é útil "aquecer o coração" com alguns minutos de oração habitual. Depois disso, pode-se começar a recitar e se concentrar na Oração de Jesus, afugentando todos os outros pensamentos.

"No momento em que você perceber que sua mente está vagando aqui e ali, você deve fazer um esforço para trazê-la de volta e mantê-la focada nas palavras da Oração. Este é o primeiro passo sobre como orar sem cessar".

O padre Maximos riu quando lembrou-se de um incidente com um colega monge no Monte Atos. "Ele sempre foi muito esquecido", afirmou, "mas, felizmente, no momento em que ele começava a orar, o diabo sempre lembrava de todas as coisas que ele esqueceu de fazer durante o dia".

O padre Maximos afirmou que a Oração de Jesus pode se tornar um hábito que pode gerar o tipo de energia que pode "abrir nossos corações". O ser humano, então, começa a manifestar uma sensibilidade radicalmente diferente. "A graça visita o coração, levando à ressurreição de poderes latentes, e a pessoa começa a funcionar dentro das energias de Deus. "Sabe", continuou dizendo com um tom sério de voz, "para os santos, a oração de Jesus é mais importante do que a sua própria respiração".

"Então, os mistérios e os segredos de Deus são revelados pela da Graça como consequência natural da oração de Jesus", eu conclui.

"É um fator central. Mas este estágio não pode ser alcançado tão facilmente. Para que a Oração alcance os recessos mais profundos da alma, exige-se uma luta espiritual constante e persistente. Uma vez que isso é alcançado, a pessoa é iluminada e dotada de sabedoria. Naquele estágio, um instrumento diferente de compreensão, além da lógica e da mente racional, é ativado. Na verdade, ele guia a lógica, pois é superior a ela. Uma pessoa que atinge esse estado de espírito julga tudo somente depois que passar pelo teste da Oração. Se uma mensagem vier durante a oração que contraria a lógica, essa pessoa obedecerá a mensagem que veio durante a oração, independentemente do que a lógica convencional diz. Verdadeiramente, Kyriaco, quando o espírito da Oração de Jesus assume o coração, só então as pessoas se curam nas profundezas de seu ser. A chama de Deus foi acesa no coração ".

"Padre Maximos, outro dia, alguém que estava à espera da confissão me mencionou que sempre que está em um avião prestes a decolar, ela começa a recitar a Oração. Mas ela se sente desonesta. Que, de alguma forma, ela tem um motivo escondido, manter-se segura. Quando essa idéia entra na cabeça, ela perde o desejo de orar ".

"Não importa quais são seus motivos quando você se concentra na Oração. Mesmo que suas intenções não sejam perfeitas, com o tempo, a prática sistemática da oração também irá aperfeiçoar seus motivos. O que acontece, entenda, é que a Oração de Jesus lhe ensina como orar. Faça a Oração e então Deus cuidará do resto. Ele o guiará para Ele através da Oração ".


Do livro Mountain of Silence por Kyriacos C. Markides

Um comentário:

  1. Faz anos, mesmo quando eu era católica romana, que procuro recitar esta oração insistentemente. Maravilhoso!

    ResponderExcluir