Cristianismo Ortodoxo

Cristianismo Ortodoxo

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A Historiografia do Pe. John Romanides (Anastasios Philippides)



      A enorme contribuição do Pe. John Romanides à teologia baseou-se em sólidos conhecimentos empíricos e experienciais, adquiridos em seu ambiente familiar, especialmente com sua mãe Evlampia. Da mesma forma, sua contribuição para a ciência histórica também se baseou em experiências pessoais que ele teve, o que o levou a idéias originais e conclusões radicais, depois, é claro, de uma pesquisa exaustiva. Ele começa seu primeiro livro de história, Romiosini (1975), contando um incidente que ele experimentou em 1951, como um jovem pároco na América. Ele foi notificado para ir ao lar de alguém que estava doente e, por engano, ele bateu na porta errada, sendo atendido por um grego. Ao mesmo tempo, o irmão deste grego entrou na sala de estar, Romanides o reconheceu como o líder dos albaneses na cidade. Nem os dois irmãos nem Romanides conseguiram explicar esse paradoxo. A chave para a interpretação é encontrada nas páginas que se seguiram no livro Romiosini. 

      Além disso, é claro que não é coincidência que Romiosini tenha sido escrito após a estada de Romanides no Líbano e a na Síria, na Escola Teológica de Balamand. Lá, ele percebeu que milhares de crentes pertencentes ao Patriarcado de Antioquia se identificavam como "ortodoxos romanos", sem serem gregos, nem mesmo falantes de grego. Este paradoxo também foi resolvido no livro Romiosini. 

        No nível acadêmico, a dívida de Romanides com Florovsky deve ser reconhecida, com quem ele teve um relacionamento particularmente próximo, como é claro a partir da correspondência até agora publicada. Florovsky estava particularmente interessado na interação da teologia e da história e Romanides foi inspirado pelo mesmo espírito. 

   O trabalho histórico de Romanides consiste principalmente em três estudos: 1) Romiosini (1975), 2) Franks, RomansFeudalism and Dogma (1982) e 3) Prólogo para a segunda edição de Ancestral Sin (1989). Além disso, vários elementos históricos estão incluídos na introdução prolongada aos Padres Romanos da Igreja: Volume um (1984), onde a síntese do discurso teológico e histórico torna-se óbvia. No entanto, em quase todos os seus estudos depois de 1975, os elementos históricos se intrometeram no teológico. 
  
1. As Posições Históricas Básicas do Pe. John Romanides 
  
      As posições históricas de Romanides, começando em 1975, quando foram ouvidas pela primeira vez, tornaram-se bem conhecidas agora e não há necessidade de repeti-las aqui, exceto apenas brevemente: 

A) A civilização romana é na verdade grega. Roma era uma cidade grega, e muitos antigos escritores romanos escreveram em grego ou eram bilíngues, e a língua grega era uma das duas línguas oficiais do Senado, onde o cargo de tradutor foi abolido do primeiro século a.C. É por isso que o apóstolo Paulo escreveu sua epístola aos cristãos de Roma em grego. Até o culto na cidade de Roma foi conduzido em grego até o início do século IV. Em todo o Império, a maioria da população falava grego. 

B) A principal divisão cultural da Europa não veio da diversificação do greco-romano, mas pela diversificação do romano-franco, que ocorreu após a conquista da parte ocidental do Império pela tribo bárbara conhecida como francos. Os francos subjugaram os romanos e os transformaram em servos, enquanto permaneciam feudais, encerrados em torres protegidas. A aquisição foi completada por Carlos Magno e foi acompanhada pela independência teológica do Sínodo de Frankfurt em 794 (que rejeitou o Sétimo Sínodo Ecumênico), pelo Sínodo de Aachen em 809 (que introduziu o Filioque no Símbolo da Fé) e pela ocupação gradual do trono papal entre 983 e 1046. Marcos importantes nesta ocupação são 1009 (a expulsão do último papa ortodoxo) e 1014 (a introdução oficial do Filioque na Igreja de Roma). Os descendentes dos romanos no Ocidente permaneceram escravizados até 1789, quando se rebelaram e foram libertados na França, ignorando, no entanto, os Romiosini dos seus antepassados e sua identificação com os romanos do Oriente. 

C) Cisma não ocorreu entre as igrejas bizantinas e romanas, mas entre os romanos ortodoxos (do leste e o oeste) e os conquistadores francos do trono papal. Porque os romanos da Velha Roma resistiam durante décadas às aspirações francas, uma ocupação direta do trono papal foi exigida pelos francos (completada em 1046) e logo depois disso, o Cisma foi proclamado. As causas do Cisma estão relacionadas principalmente com as aspirações políticas dos francos e não com um mítico contraste inevitável entre a teologia grega e romana. 

D) Como conquistadores da Europa Ocidental, os francos impuseram sua própria versão errônea da História, nomeando os romanos livres de "gregos" para diferenciá-los dos romanos da França e da Itália que haviam conquistado. Então, após a queda de Constantinopla, quando não havia mais romanos livres, eles renomearam o Império para "Bizâncio", para cortar de todos os romanos escravizados sua continuidade histórica e impedir qualquer reconstituição do Império. Na verdade, nunca houve um "Império Bizantino". O termo foi usado pela primeira vez em 1562 por Hieronymus Wolf em sua publicação de uma coleção de fontes históricas. 

E) Apesar de tudo isso, no entanto, os romanos escravizados do Oriente, sob os turcos, mantiveram a memória de seu Império, e sempre houve o risco de reivindicá-lo novament. As Grandes Potências, com a ajuda de intelectuais gregos modernos como Koraes, comprometeram-se a persuadir as pessoas de que eram apenas descendentes dos gregos antigos que haviam sido escravizados nos últimos 2000 anos sob os romanos e os turcos. Esses mesmos poderes mudaram para um apoio positivo da Revolução de 1821 somente depois de ter conseguido sua orientação para a antiguidade. Esta questão não se dissolveu mesmo cem anos após Koraes, como demonstrado pela controvérsia que entrou em erupção com a publicação History of Romiosini de Argyres Eftaliotis em 1901, quando Kostes Palamas defendeu Eftaliotis, enquanto estudiosos como Nicholas Polites e Sotiriades o provocavam. 

       O trabalho histórico de Romanides centra-se no período medieval, como é razoável, já que este é o período que foi falsificado da mais recente historiografia oficial. No entanto, isso não termina. Ele se estende tanto na História antiga e moderna. Esta expansão veio como uma necessidade de esclarecer áreas obscuras ou responder a críticas. Por exemplo, a visão de Romanides sobre o caráter grego da Roma antiga parecia incomodar para muitos. Então Romanides precisou responder completamente em um de seus últimos estudos que escreveu antes de seu repouso. Tem o título "Exemplos da Ciência da Limpeza Étnica da História Romana e uma Visão do Futuro dos Estados Unidos da Franco-Romania" (uma palestra proferida no Hellenic College de Brookline, Massachusetts, em 17/10/1998). Lá, ele se refere extensivamente a historiadores antigos como Dionísio de Halicarnassus, que escreveu sobre os primeiros anos da cidade de Roma. 

       Da mesma forma, ao tentar explicar a aceitação da versão ocidentalizada da História pelos gregos modernos, Romanides investigou os mecanismos e as pessoas que impuseram a visão ocidental sobre a Grécia moderna. Ele revelou assim o papel de Koraes e Napoleão, como exposto no Prólogo da segunda edição de Ancestral Sin. Ele nomeia Napoleão como responsável pela morte de Rigas Feraios, a fim de evitar a reconstituição do Império Romano, na seção européia, como é apresentado na famosa Carta de RigasRomanides prosseguiu até o início do século 20, examinando os dois confrontos em torno do nome étnico grego ou romano, em seu estudo "Kostes Palamas e Romiosini" (1976). 

       O que deve ser enfatizado é que Romanides chegou ao ponto de lidar com a História como uma continuidade, e não como uma ruptura, de seu trabalho teológico. Além disso, durante o período de seus escritos históricos, que começou em 1974, ele não deixou de produzir textos teológicos. Os dois eram inseparáveis. Por exemplo, sua compreensão das diferenças com as confissões ocidentais levou-o ao exame da sucessão apostólica e à descoberta chave de sua separação desta sucessão no ocidente franco. É por isso que ele investigou profundamente o período obscuro grego e bastante desconhecido, o período entre os séculos 7 e 8, quando o reino merovíngio colapsa e os carolíngios chegam ao trono. Ele escreve em seu estudo "Sínodo e Civilização da Igreja" em 1995: "Os bispos francos encontrados por São Bonifácio entenderam a sucessão apostólica como um poder mágico que lhes permitiu torná-lo propriedade de sua raça e usá-lo como principal meio de manter suas populações subjugadas pacificadas pelo medo de seus poderes religiosos e militares. As teorias de Agostinho sobre o pecado original e a predestinação os ajudaram nesse sentido". 


       Como Romanides descobriu, no início, os francos merovínios usurparam o direito de veto nas eleições dos bispos. Então eles usurparam o direito de nomear bispos e começaram a vender posições em oferta. Eventualmente, os francos carolíngios expulsaram os bispos romanos e impuseram apenas bispos francos nos cargos. 


       Um segundo exemplo é o seu estudo histórico do Filioque, publicado em 1975 com uma versão revisada em 1982. Para entender a origem do Filioque, Romanides precisava prosseguir em uma pesquisa histórica profunda, na qual a interação entre teologia e história política se tornava sempre aparentePor fim, os desenvolvimentos no pensamento teológico do Ocidente passaram a ser frequentemente produzidos como produtos de conveniência política, como em relação ao Sétimo Sínodo Ecumênico em 794, ou em relação ao Cisma em 1054, ou a adoção da doutrina da "satisfação de Deus" por Anselmo de Canterbury, que era uma imitação da justiça feudal. 



2. Uma avaliação das obras históricas de Romanides 

     Apesar das opiniões de Romanides serem baseadas em fontes publicadas e  conhecidas, elas não foram apresentadas dessa maneira por nenhum investigador anterior. A composição se encontra apenas no trabalho de Romanides. Os bizantinistas sabiam que nunca havia um estado chamado "Bizâncio", mas eles usaram esse termo sem explicar as implicações políticas dessa escolha. Até hoje, as posições históricas de Romanides não se tornaram amplamente aceitas, nem penetraram nos livros didáticos, embora tenham sido amplamente discutidas, particularmente na internet. Acreditar-se-ia que fossem opiniões completamente triviais que não valem a pena responder ou considerá-las de forma descaradamente equivocada, que são facilmente refutadas por graduados em História e, mais uma vez, não valem a pena responder. No entanto, elas não são nenhum dos dois casos. 

        Em seus estudos, fruto de muitos anos e esforço árduo, Romanides usou inúmeras fontes de confiabilidade conhecida. É difícil argumentar que ele não teve em conta qualquer fonte significativa que altere suas conclusões. Em vez disso, ele conseguiu aproveitar pequenos detalhes que poderiam ter escapado da atenção de outros pesquisadores. Um exemplo típico é a sua afirmação original de que, em meados do século VIII, os romanos escravizados sob os francos na França contemporânea se aliaram com os árabes para livrar-se o jugo franco. Esta informação está de fato contida nas Continuações da Crônica de Fredegar, que é citada por Romanides, mas foi ignorada até agora. Sua descoberta é indicativa do estudo cuidadoso das fontes por Romanides. 

       Outro exemplo de descobrir detalhes que escaparam à atenção de outros pesquisadores é o Protocolo de Londres de 31/01/1836, que determina o direito de emigração do Império Otomano para a Grécia. Romanides examinou o texto original em francês, que ele cita em seu estudo "Exemplos da Ciência da limpeza étnica na história romana e uma visão do futuro dos Estados Unidos da Franco-Romania". Como sabemos, até então, em todas as línguas ocidentais, nossos antepassados eram chamados de "gregos" (Γραικοί). O texto do Protocolo de Londres introduziu pela primeira vez a distinção entre "Hellenos" (os habitantes do Reino da Hellas ou Grécia) e "Grecs" (todos naquele tempo que eram chamados de gregos que habitavam o Império Otomano). Aqui está totalmente revelado a propaganda ocidental que distorceu nossos nomes nacionais ao longo dos séculos. Ao tentar diversificar os romanos livres dos romanos escravizados sob os turcos, as Grandes Potências distinguiram entre Hellene e Greco, uma diferença que certamente causará risos se for traduzida para o grego. 

       Com sua pesquisa detalhada, Romanides resolveu uma questão histórica, cuja resposta era desconhecida para o público em geral. A questão era: por que todos os reis da Grécia, a partir do segundo rei (George I, 1863), têm o título de "Rei dos Helenos", enquanto o primeiro rei (Otto) apresentou o título de "Rei da Grécia"? Sabia-se que os Grandes Poderes impediram Otto de assumir o título de "Rei dos Helenos". Mas por que eles permitiram a George I? Através de Romanides, conhecemos a explicação: Otto veio em 1833, ou seja, antes do Protocolo de 1836, quando mesmo as Grandes Potências não diferenciavam entre "Helenos" e "Grecos". Se eles chamassem Otto "Rei dos Helenos" (Roi des Grecs), eles teriam afirmado que Otto era o rei de todos os aqueles no Ocidente chamados Grecos (gregos), ou seja, os habitantes do Reino da Grécia e os Romanos escravizados no Império Otomano. Nem mesmo os Grandes Poderes queriam isso, nem, claro, a Turquia. Em vez disso, no momento em que George I veio em 1863, houve uma distinção entre "Hellenos" e "Grecos", graças ao Protocolo de 1836. Então, George foi nomeado Rei dos Helenos (Roi des Hellenes) e todos ficaram satisfeitos. 

       Portanto, não se pode argumentar que Romanides ignorou as fontes. É igualmente difícil argumentar que ele interpretou mal suas fontes. Por exemplo, a visão de que o Império Romano, antes da invasão das tribos bárbaras, era bilíngue, não é mais uma conclusão aceitável de pesquisadores modernos. Para ser exato, a maioria da população falava grego, como foi convincentemente apoiado pelo estudioso contemporâneo da Antiguidade tardia, Peter Brown (The World of Late Antiquity e outras obras). A razão era simples: todos os principais centros urbanos localizados na parte oriental do estado já haviam sido helenizadas desde o tempo dos sucessores de Alexandre, o Grande. Além de Roma, não havia uma cidade importante na parte ocidental do Império. 

   O professor universitário, Protopresbitero Pe. George Metallinos, estudou as fontes históricas há décadas, principalmente da ocupação turca e do século XIX, mas não apenas estas, e isso resultou numa conclusão idêntica feita por RomanidesAs extensas obras publicadas do Pe. George, confirmam as descobertas de Romanides. 

     Os mesmos resultados foram obtidos a partir de pesquisas independentes, de fontes de História Medieval. Entre outras coisas, foram examinadas a "História dos francos" de Gregory of Tours, a "História dos godos" de Jordanes, a "Crônica de Fredegar", a "História dos Lombardos", de Paul the Deacon, as "Leis dos Lombardos" com curadoria de Drew K. Fischer, A Biografia de Carlos Magno (Vita Caroli) de Einhard, o Relatório da Embaixada a Constantinopla (Relatio de legação Constantinopolitana) de Liutprand de Cremona, a Cronografia de Teófanes, as Epístolas do Patriarca Nicholas Mystikos para o Seu Próprio Filho Romanos por Constantine Porphyrogenitos e seu épico "Digenis Akritas". Nenhuma das conclusões de Romanides é inconsistente com as fontes que examinamos. 

       Até agora, não temos em mente uma refutação coerente das posições de Romanides. No entanto, abaixo, apresentaremos cinco críticas que foram levantadas, às vezes, em relação às suas opiniões. 

A) Talvez a maior crítica geral do trabalho de Romanides venha de Vladimir Moss em seu estudo Against Romanides - Um exame crítico da teologia do Pe. John Romanides (2012). Quanto à parte histórica, Moss discorda com Romanides argumentando que: 

a) Os francos eram os únicos ortodoxos de todos os bárbaros desde o início, que se estabeleceram no território do Império Romano (os outros eram convertidos ao arianismo). Portanto, a "conquista" dos francos, por Clovis, por exemplo, em torno de 510 foi celebrada pelos romanos do ocidente como uma "libertação" ao invés de uma conquista. (p. 73) 

     Para apoiar o seu argumento, Moss refere-se à Enciclopédia Católica de 1917, onde lemos sobre Clovis: "Em todos os lugares, ele introduziu boas leis". Isso certamente não pode ser considerado como uma refutação credível. Além disso, o tratamento favorável dos francos da Enciclopédia Católica confirma em vez de minar a reivindicação de Romanides. 

       Além disso, Moss refere-se à "História dos Francos" de Gregory de Tours, escrevendo que "nenhum lugar ele desafia a legalidade do poder franco" (p.74). Romanides leu Gregory de Tours de forma diferente, que "escreveu a História dos Francos até 591, ou seja, 1) Antes que os francos se infiltrassem completamente na hierarquia e 2) durante o tempo em que havia uma certa cooperação entre francos e romanos por causa de problemas comuns. No entanto, apesar de Gregory se inspirar no muito esperado sonho de que os romanos eventualmente afetariam os francos pelo bem e que os romanos mantiveram e continuaram principalmente através dos bispos, a administração dos numerosos romanos conquistados pelos francos, ele não esconde nem o menor detalhe em relação à ferocidade e brutalidade dos francos "(Romiosini, p. 137). 

b) A distância da Europa Ocidental da Ortodoxia, escreve Moss, não pode ser atribuída apenas a uma tribo alemã que tentou destruir o Romanismo (p.76). Os romanos do Ocidente participaram do conflito com Constantinopla: o papa Estevão II procurou a ajuda do rei franco Pepino em 754 e insultou os "gregos" em suas epístolas. O Papa Adriano I desvelou em 785 os Decretos Pseudo-Isidóreos que se tornaram a base para a reivindicação do absolutismo papal nos séculos subsequentes (p.79). O papa Leão III foi o principal vencedor na coroação de Carlos Magno em 800, porque "obteve um 'imperador de bolso' no lugar do Imperador do Oriente" (p. 81). 

     Moss se refere extensivamente a um livro de um certo abade francês do século 19 (Guettee) para contar a relação entre o papado e o Carlos Magno. O leitor se pergunta como é possível um livro convencional publicado há 150 anos, que reitera os pontos de vista estabelecidos, pode ser considerado uma refutação de Romanides. Em todo o caso, Romanides respondeu a todos os detalhes relativos aos Decretos Pseudo-Isidóreos, que ele considerou serem formados como uma linha de defesa pelos Papas romanos, contra o ataque franco. Além disso, é difícil convencer alguém que o Papa Leão ganhou algo contra Carlos Magno, além da supressão temporária de um governante militarista. Além disso, como Moss escreve imediatamente mais adiante, Carlos Magno ignorou o Papa quando ele deveria coroar seu filho, o Imperador Louis (p. 81). 

     Apesar das simplificações maniqueístas de seus críticos, Romanides mostrou uma representação muito mais complexa desse período. Não tem nada a ver com a "teoria racial" que Moss critica (p. 96), e Romanides não considera todos os romanos ocidentais como os "bons" da História. Em um momento de enorme pressão e ocupação estrangeira, muitos se uniram com os Francos por razões táticas ou por razões de crença. Mudanças sucessivas do papado, especialmente no século X, refletiram as mudanças no equilíbrio de forças entre os francos e os romanos de Roma. No entanto, mesmo sob as condições mais difíceis da pressão franca, os papas permaneceram ortodoxos no dogma, razão pela qual seus nomes são registrados nos dípticos de Constantinopla até 1009. O exemplo característico é o mesmo Leo III, o papa que coroou Carlos Magno em 800. Quando os francos proclamaram como dogma a adição do Filioque ao Símbolo de Fé (Sínodo de Aachen, 809), Leo respondeu criando o Credo sem o Filioque em duas placas de prata na Igreja de São Pedro com a inscrição: "Leo colocou essas pelo o amor e para a proteção da fé ortodoxa"(Romiosini, pág. 59). Era um movimento da máxima bravura, quando os exércitos invictos de Carlos Magno ainda estavam na Itália. 

c) Como a maioria dos leitores de Romanides, Moss rejeita a visão radical de que a Revolução Francesa era uma rebelião dos servos galo-romanos contra seus governantes francos. Ele simplesmente chama isso de "bobagem" e considera que, por esse tipo de coisa, Romanides "partiu da história para o reino da imaginação" (pág. 94). No entanto, pesquisadores estrangeiros mais jovens identificaram provas que apoiam Romanides. Em seu interessante estudo intitulado The Franks, Edward James cita um trecho de uma carta de Catherinaa Grande, durante o curso da Revolução Francesa, onde a Tsarina escreve: "Você não vê o que está acontecendo na França? Os gauleses estão expulsando os francos". Portanto, nas grandes cortes da Europa era sabido o que estava acontecendo, mesmo que os rebeldes fossem chamados de "Gaules" em vez de "Romanos". 

B) Além da crítica geral de Moss, as outras avaliações individuais que foram publicadas são muito mais enxutas. Aidan Nichols, um sacerdote católico e professor universitário, em uma revisão completa dos principais teólogos ortodoxos do século 20, caracteriza Romiosini como um "trabalho estranho", mas as únicas réplicas oferecidas são as seguintes: "O principal problema com essa tese histórica é que os bárbaros ocidentais, em vez de querer reconstruir o Império Romano do Ocidente a sua própria imagem, e assim quebrar os grilhões do Oriente, estavam bastante felizes em aceitar qualquer herança, seja cultural, linguística ou religiosa, que o Greco - o mundo romano como um todo poderia ter oferecido. " 

      As observações de Nichols podem ter sido verdadeiras, em parte, para os conquistadores iniciais da Itália, os ostrogodos, que adotaram muitos atributos externos do governo romano. Eles não foram, no entanto, aqueles que deixaram sua marca permanente na Europa Ocidental. Após a derrota de Justiniano, eles desapareceram da cena da história e a evolução da Europa Ocidental foi estabelecida pelos francos. Os francos escolheram o conflito com o Império Romano, não só politicamente, mas também cultural e teologicamente. Portanto, eles não estavam "muito felizes em aceitar qualquer herança". No entanto, é notável que Nichols, apesar do comentário acima, considere Romanides como um dos principais teólogos do mundo do século XX. 

C) Uma crítica que parece subjugar muitos comentários dos gregos em relação às posições de Romanides é que sua preocupação com nossos nomes históricos nacionais é anacrônica e que a questão dos nomes nacionais não é essencial hoje. No entanto, como demonstrado pela experiência dos últimos vinte anos, onde a Grécia está envolvida em uma disputa de nomes diplomática não resolvida com um estado vizinho, os nomes nacionais não são escolhas inocentes. Em vez disso, eles carregam um simbolismo complexo, e incluem disputas territoriais, redefinindo escolhas históricas e alimenta as realizações culturais do futuro. Por conseguinte, é absolutamente essencial ter um conhecimento adequado dos nossos nomes nacionais e do peso simbólico que eles carregam. 

D) Uma leitura superficial do trabalho de Romanides pode levar à impressão de que a conclusão de seus pontos de vista leva a um nacionalismo peculiar. Em vez de um nacionalismo grego moderno surge um nacionalismo "romanístico", dizem eles. Os romanos identificaram com a exclusão cristã ortodoxa de outros povos da fé correta, eles explicam. "Um chinês não pode se tornar ortodoxo? Por que Romiosini deve ser identificado com a ortodoxia?" eles questionam. 

       Na verdade, Romanides viu Romiosini como algo muito mais amplo do que os limites de uma nação, seja ou não romano - assumindo que se poderia falar de uma "nação romana". Romiosini é uma cultura universal que inclui o helenismo em sua dimensão ecumênica. O cristianismo foi fornecido com a terminologia da língua grega, mas todos podem incorporar a herança cristã greco-romana em sua própria tradição. Na verdade, nem mesmo os gregos modernos têm algum tratamento preferencial de origem étnica. Em vez disso, para que possam ignorar a existente história de Romiosini, eles aceitam a propaganda da Europa Ocidental e se transformaram em gregos. 

       Apesar das alegações de vários críticos, Romiosini provou ao longo dos séculos que é eminentemente superior ao nacionalismo. Registrou e assimilou diversos povos de diferentes origens linguísticas, não dando importância ao local de sua origem ou ao seu status social. O propósito sempre foi resgatar o método terapêutico para as pessoas, que havia sido perdido para outras culturas, e levá-las à theosis. Este propósito não tem relação com a propriedade dos povos, nobres ou línguas sagradas. 

   O próprio Romanides enfatizou constantemente a diferença entre Romiosini e o nacionalismo: "Embora um romano tenha uma convicção absoluta em seus Romiosini, eles não são nem fanáticos nem intolerantes, nem têm xenofobia. Pelo contrário, eles adoram os estranhos, embora não ingenuamente. Isso ocorre porque eles sabem que Deus ama todas as pessoas e todas as tribos e todas as nações sem discriminação e sem preferência ". Ele continua mais tarde: "Por isso, Romiosini é a confiança, a humildade e o philotimo e não a confiança falsa, a fúria e o egoísmo. O heroísmo da romanidade é uma condição verdadeira e duradoura do espírito e não da crueldade, da barbaridade e da rapacidade". 

E) Finalmente, uma crítica mais geral e bastante convincente apresenta as conclusões da pesquisa de Romanides como tendo características utópicas. Quando concluem um estudo de suas obras, muitos leitores são levados a uma opinião que o autor insiste em uma reconstituição do Império Romano hoje. De fato, as últimas páginas de Romiosini, no Epílogo, parecem um manifesto político ambicioso para o retorno da Europa "teuton-formada" à "cultura grega dos romanos": 

"Os descendentes ocidentais dos romanos não só reverteram a classe de nobreza e teologia do feudalismo dos conquistadores, mas eles estão prontos para retornar aos Romiosini de seus antepassados, que os romanos orientais preservam até hoje com suas muitas manifestações culturais que já existiam no Ocidente Romiosini" (p. 273). 

 Ele continua: 

"Uma forma não-teutônica, embora até certo ponto distorcida, de voz romana e de voz celta, foi preservada na Europa Ocidental e está retornando à sua unidade nacional, religiosa e política, uma vez que repele o espírito teutônico que corta os descendentes dos romanos em pequenos estados egocêntricos e egoístas" (p. 275). 

       Talvez seja uma utopia. É uma utopia, assim como a proclamação dos judeus da diáspora em 1897, quando eles procuraram retornar à Terra Prometida, com sua capital em Jerusalém, depois de terem sido espalhados por 2000 anos. No entanto, nem mesmo cinquenta anos foram necessários para que isso seja realizado. 

       Romanides reconhece que sua visão é utópica, mas ele se apressa para acrescentar que é menos utópico do que a visão atual de uma União Européia"Quanto os europeus de hoje já estão tentando fazer algo semelhante? Por que os ancestrais dos romanos não podem procurar uma unidade menos utópica e historicamente verdadeira?" 

   A visão de uma União Europeia é mais utópica porque: "Como é atualmente, a Europa Teutônica nunca estará unida, pois é dominada pelo espírito racista, sexista, sectário, eudemonístico e explorador dos Teutonicos, que busca a subjugação e exploração das pessoas sob pequenos grupos mercenários "(Romiosini, p. 275). 

    Na era do Memorando, à medida que as pessoas da Europa estão cada vez mais afastadas uma das outras e insultam uns aos outros com slogans racistas, as palavras de Romanides são mais uma vez ditas como proféticas. 

  Concluindo este breve relatório, podemos resumir como, além de ser um teólogo de projeção mundial, o Pe. John Romanides também foi um historiador pioneiro. Ele usou fragmentos de informações obscuras que escaparam da atenção de outros pesquisadores e compôs um conceito completamente novo, que resistiu ao tempo e à crítica. Esta síntese ambiciosa combina pesquisa histórica com uma proposta teológica e está solidamente fundamentada na tradição da Igreja e dos ortodoxos. É por isso que permanecerá uma propriedade valiosa para as gerações futuras de toda a humanidade. 

Por Anastasios Philippides Bacharel em Artes, Universidade de Yale; Mestrado em Artes, Universidade de Georgetown 

Nenhum comentário:

Postar um comentário